Exportar (0) Imprimir
Expandir Tudo

Visão geral das máquinas virtuais do Azure

Atualizado: dezembro de 2014

Uma máquina virtual do Azure oferece a flexibilidade da virtualização sem gastar tempo e dinheiro para comprar e manter o hardware que hospeda a máquina virtual. No entanto, você precisa manter a máquina virtual: configurar, corrigir e manter o sistema operacional e qualquer outro software executado na máquina virtual.

  • Uma máquina virtual é uma versão de software de um computador que você configura e mantém de acordo com suas necessidades.

  • Uma imagem do sistema operacional é um conjunto de um ou mais arquivos a ser usado como modelo para criar uma nova máquina virtual. Uma imagem age como um modelo porque não tem as configurações personalizadas como uma máquina virtual configurada; por exemplo, as configurações de nome de computador e conta de usuário.

  • Um disco do sistema operacional de máquiba virtual é o disco rígido virtual (no formato de arquivo .vhd) que pode ser inicializado e montado como uma versão de execução de uma instância do sistema operacional. As máquinas virtuais também podem usar um ou mais discos de dados, que podem ser anexados à máquina virtual a qualquer momento.

  • Um aplicativo do Microsoft Azure pode ter várias máquinas virtuais. Todas as máquinas virtuais que você cria no Microsoft Azure automaticamente podem se comunicar usando um canal de rede privada com outras máquinas virtuais no mesmo serviço de nuvem ou rede virtual. O Microsoft Azure permite balancear a carga do tráfego entre elas.

Para descobrir quais aplicativos Microsoft são suportados quando executados nas máquinas virtuais do Microsoft Azure, consulte Suporte de software do Microsoft Server para máquinas virtuais do Azure.

Você pode criar uma máquina virtual no Microsoft Azure usando o Portal de Gerenciamento do Azure, o Azure PowerShell, a interface programável de API (REST) ou as ferramentas de linha de comando fornecidas para computadores Mac e Linux. Independentemente de qual ferramenta usar, você precisa escolher um sistema operacional para ser usado com sua máquina virtual. Existem algumas maneiras de fazer isso:

  • Use uma imagem fornecida pelo Azure ou um parceiro certificado: Você pode criar sua própria máquina virtual diretamente na nuvem usando uma imagem fornecida pelo Azure ou um dos parceiros certificados. Depois de criar a máquina virtual, você poderá fazer logon no computador para gerenciá-lo. Para uma máquina virtual que está executando o sistema operacional Windows Server, use o botão Conectar no Portal de Gerenciamento para iniciar uma Conexão de Área de Trabalho Remota. Para uma máquina virtual que está executando o sistema operacional Linux, use um cliente SSH para fazer logon. Para obter informações detalhadas sobre como criar, implantar e gerenciar máquinas virtuais no Windows, áreas de trabalho de Mac e Linux, consulte downloads no site WindowsAzure.com.

    Consulte Imagens da máquina virtual da Oracle para Azure para obter informações sobre imagens da Oracle.

    Você também pode capturar uma máquina virtual em execução no Azure como uma imagem. Isso cria um novo arquivo de imagem na mesma conta de armazenamento que o disco do sistema operacional da máquina virtual que foi capturada. Depois, você pode usar essa imagem de uma máquina virtual capturada para criar várias máquinas virtuais. Para obter as instruções, consulte Como capturar uma máquina virtual Windows para usar como um modelo e Como capturar uma máquina virtual Linux para usar como um modelo.

  • Use sua própria imagem ou disco: Você pode carregar seu próprio arquivo .vhd para usar como uma imagem ou um disco. A diferença é que uma imagem é apropriada para usar repetidamente, como um modelo, e o disco não é. Por exemplo, se desejar manter as configurações específicas do aplicativo, como uma instalação do SQL Server, carregue o arquivo VHD como um disco e crie uma máquina virtual no disco. Para ver instruções, consulte Criando e carregando um disco rígido virtual que contém o sistema operacional Windows Server.

Ao criar uma máquina virtual, você precisará escolher:

  • O tamanho da máquina virtual. Isso determina a configuração, como o número de núcleos de CPU, a quantidade de memória e a capacidade de armazenamento. Para obter detalhes, consulte Tamanhos de Máquina Virtual e Serviços de Nuvem para Azure.

  • O sistema operacional. Você pode escolher entre as imagens de estoque, algumas das quais incluem o SQL Server ou o Sharepoint. Ou, se você carregar seu próprio VHD, poderá usá-lo como uma imagem personalizada da máquina virtual.

  • A configuração da rede. Se você quiser que uma máquina virtual use uma rede virtual, precisará especificar a rede virtual ao criar a máquina virtual. Para obter mais informações, consulte o Visão geral da rede virtual.

  • A configuração do serviço de nuvem. Cada máquina virtual é armazenada em um serviço de nuvem sozinha ou com outras máquinas virtuais. Quando você coloca máquinas virtuais no mesmo serviço de nuvem, pode balancear a carga dos aplicativos e serviços configurando pontos de extremidade com balanceamento de carga. Para obter instruções, consulte Balanceando a carga de máquinas virtuais.

noteObservação
Consulte Sobre configurações da VM no Azure para ver um resumo das configurações e links para obter detalhes sobre cada um deles.

A Rede Virtual do Microsoft Azure é um dos vários serviços de rede disponíveis no Azure. O diagrama a seguir mostra como a Rede Virtual pode ser usada para estender uma rede corporativa para incluir máquinas virtuais do Microsoft Azure. Isso representa uma grande vantagem para migrar os aplicativos existentes para o Microsoft Azure. Você pode facilmente dar suporte a aplicativos híbridos que abrangem a nuvem e os locais. Você pode gerenciar suas próprias redes virtuais dentro do Microsoft Azure e aproveitar o gateway de VPN hospedado para estabelecer a conectividade entre os locais e a nuvem. Você pode habilitar as máquinas virtuais que são executadas no Microsoft Azure para serem adicionadas a seus domínios corporativos executados localmente.

Como mostra o diagrama, em uma rede virtual do Microsoft Azure, você pode executar um servidor DNS habilitado para domínio do Active Directory em uma máquina virtual enquanto um banco de dados do SQL Server pode residir em outra máquina virtual; e seu código de aplicativo pode ser executado por uma função Web gerenciada pelo Microsoft Azure.

Migração com infraestrutura como um serviço

Para obter mais informações sobre a rede no Azure, consulte Serviços de Rede. Para mais informações sobre a Rede Virtual, consulte Visão geral da rede virtual.

Todas as máquinas virtuais no mesmo serviço em nuvem ou rede virtual podem se comunicar automaticamente entre si através de um canal de rede privada. No entanto, para se comunicar com outros recursos na Internet ou outras redes virtuais, uma máquina virtual usa pontos de extremidade. Esses pontos de extremidade manipulam o tráfego de rede de entrada para a máquina virtual. Para obter instruções, consulte Como configurar pontos de extremidade para uma máquina virtual.

Usar Máquinas Virtuais do Microsoft Azure (máquinas virtuais) desbloqueia o desenvolvimento ou a migração de aplicativos que têm dependências dos recursos que exigem máquinas virtuais. Você pode rapidamente aproveitar o Microsoft Azure migrando um aplicativo existente como está usando Máquinas Virtuais. Além disso, você pode conectar diferentes modelos de aplicativo, como funções Web ou de serviços de Nuvem e de trabalho, com máquinas virtuais.

Os seguintes padrões de aplicativo são alguns exemplos que podem aproveitar as vantagens das Máquinas Virtuais do Microsoft Azure:

  • Aplicativos de banco de dados de missão não crítica existente

  • Novos aplicativos de banco de dados a serem implantados no SQL Server em Máquinas Virtuais quando o Banco de dados SQL do Microsoft Azure não fornece todos os recursos necessários

  • Um ambiente de desenvolvimento e teste rápido e fácil para novos aplicativos de banco de dados

  • Uma solução de backup para aplicativos de banco de dados locais

  • Uma solução que pode dimensionar sob demanda fácil e rapidamente em horários de pico

  • Uma solução que pode ultrapassar as ineficiências de plataforma de virtualização localmente

  • Uma solução que tem dependências dos recursos que exigem máquinas virtuais como o SQL Server, Active Directory, MongoDB, MySQL ou SharePoint.

Quando você migrar aplicativos locais para a plataforma de nuvem, recomendamos que você planeje cuidadosamente cada fase da migração. Um projeto típico de migração inclui a fase de análise, a fase de migração do aplicativo, a fase de migração de dados, a fase de teste e otimização, e a fase da operação e gerenciamento. Para obter mais informações sobre cada fase, consulte Visão geral do ciclo de vida da migração no Azure.

É recomendável que você mova o banco de dados do SQL Server e os dados para uma máquina virtual no Microsoft Azure usando um dos métodos descritos em Migrando para o SQL Server em uma máquina virtual do Azure. Em seguida, carregue e anexe um disco de dados que já contém dados à máquina virtual, ou anexe um disco vazio ao computador. Você pode usar os discos de dados para armazenar os logs e os arquivos de dados do SQL Server. Consulte os seguintes tutoriais:

O desempenho de um banco de dados relacional na Máquina Virtual do Microsoft Azure depende de muitos fatores, inclusive o tamanho da máquina virtual, o número e a configuração dos discos, a rede, a configuração do software de banco de dados e a carga de trabalho do aplicativo. Recomendamos que os desenvolvedores do aplicativo façam a comparação entre vários tamanhos de máquina virtual e configurações de armazenamento para selecionar o mais apropriado. Para obter mais considerações, consulte Práticas recomentadas para o desempenho do SQL Server em máquinas virtuais do Azure. Para obter informações introdutórias, consulte Introdução ao SQL Server em Máquinas Virtuais do Azure.

Para fornecer recuperação de desastres de dados e discos, o Microsoft Azure utiliza o recurso recentemente anunciado de replicação geográfica de armazenamento do Microsoft Azure. Todas as alterações feitas pelo aplicativo ou cliente nos discos de propriedade do sistema operacional ou nos discos de dados são preservadas, mesmo no caso de uma falha de hardware, usando o armazenamento de Blob do Microsoft Azure. Como descrito no post do blog Introdução à replicação geográfica para o Armazenamento do Azure, os Blobs e as Tabelas do Microsoft Azure são replicados geograficamente entre dois data centers distantes um do outro no mesmo continente, para oferecer durabilidade adicional dos dados no caso de um desastre de grandes proporções, sem custos adicionais. Quando você inicia uma máquina virtual, a replicação geográfica do Armazenamento do Microsoft Azure replica seu sistema operacional e os discos de dados para uma segunda região geográfica por padrão.

Além disso, verifique se as máquinas virtuais são membros do mesmo conjunto de disponibilidade. Várias máquinas virtuais no mesmo conjunto de disponibilidade ajudam a garantir que seu aplicativo esteja disponível durante falhas de rede, falhas de hardware de disco local e qualquer tempo de inatividade planejado. Para obter detalhes, consulte Gerenciar a disponibilidade de máquinas virtuais.

Para obter informações sobre as técnicas de alta disponibilidade e recuperação de desastres ao usar o SQL Server em uma máquina virtual do Microsoft Azure, consulte Alta disponibilidade e recuperação de desastres para o SQL Server em máquinas virtuais do Azure.

Consulte também

A Microsoft está realizando uma pesquisa online para saber sua opinião sobre o site do MSDN. Se você optar por participar, a pesquisa online lhe será apresentada quando você sair do site do MSDN.

Deseja participar?
Mostrar:
© 2015 Microsoft